Arquivo da tag: Tati Felix

SOBRE FINAIS, COMEÇOS E DECISÕES

Padrão

Sopro

Eis que a vida da gente é mesmo muito maluca. E esse ano cada vez mais surpreendente. Entre cafezinhos, bebidinhas e conversas que jogo deliciosamente por aí, com velhas e novas amigas esse ano de 2013 não tá fácil pra ninguém!

Quem tinha que se separar, se separou – sim, estou nesse time. Passar por todas as fases do “luto”, da depressão à raiva. Todos esses sentimentos fazem parte e devem ser vividos até a última gota.

Resolvi fazer uma especialização de maquiagem em Barcelona, eu precisava sair, como se fosse nascer de novo, respirar novos ares, recuperar o fôlego, andar sem rumo, ver toda arquitetura incrível de Gaudí, me renovar.

E lá tive dias muito felizes! Fiz amigas (oi, Manoela, Monse, Pao, Lorena, Kat, Paqui…) brasileiras, mexicanas, espanholas, equatorianas… enfim. Juntas exploramos a cidade, almoçamos, jantamos, bebericamos, e estudamos!

Me senti eu mesma, de verdade, redescobri muitas coisas sozinha, ouvi estórias de amigas, rimos e choramos juntas. E Barcelona… Ainda vou criar coragem e começar a escrever sobre isso aqui no blog.

Pensei sobre os ciclos da vida. As coisas que terminam. E outras que começam.

Nós somos nossas decisões o tempo todo. Então o que importa é decidir! Não se trata de ter o controle de tudo, porque na verdade não temos controle de muita coisa… Trata-se de decidir e ser responsável pela sua vida, pelo rumo que ela toma. Já parou pra pensar que rumo sua vida anda tomando? Você gosta/mudaria alguma coisa? Então faça diferente pra ver o que acontece…

Só porque você decidiu! Adoro essa palavra DECIDIR!

A Camila é a grande responsável por isso. Outro dia, eu estava reclamando dos quilinhos que ganhei por querer comer como se não houvesse amanhã. Aí a Camila me olhou, na maior tranquilidade e disse:

-Tati, quando VOCÊ DECIDIR emagrecer, essa é uma das poucas coisas da vida que estão no seu controle.

Ela foi embora e nem sabe o quanto me fez bem essas palavras: quando VOCÊ DECIDIR!!!

Sim, da minha vida decido eu, desde o que vou comer, com quem vou me relacionar, com quem quero trabalhar… e por aí vai.

Tudo que era angustiante passou a ser libertador! Porque no lugar de ‘vítima’ somos autores de nossa própria estória.

Precisamos encerrar ciclos para começar outros. Assim amadurecemos, com dores, alegrias e amores.

Somos feitos de nossas experiencias, daquilo que comemos, dos lugares que visitamos, das pessoas que conhecemos ha muito ou pouco tempo, dos livros que lemos, dos aromas que sentimos, das cores que pintamos nossa vida.

E por isso DECIDI voltar a escrever… Porque também sou feita do que escrevo.

Eis um novo começo…

Besos

Tati Felix

Tempos de Tormenta: Do Amor às Linhas de Expressão

Padrão

pes (1)

Chega um dia que as coisas não podem mais ser como são.

Não importa de quem é a decisão, toda não ação também gera uma reação. Nesse caso, to falando de separação mesmo. Não importa o que houve, quem está certo, vasculhar o passado pra achar a culpa e quem é o grande culpado.

O fato é que depois de muitos anos (quando digo muitos, pense na maioridade) me sinto como vim ao mundo, com a alma desnuda e quando olho o relógio quase sempre são tres da manhã…

Chega a constatação: estou atravessando tempos de tormenta.

Tá achando dramático?! Então você ainda não amou ninguém, não sonhou e nem fez planos de morar junto, casar, ter filhos (deixa isso pra lá) não sentiu sua vida devastada.

Quero mesmo é falar da dor, como se faltasse um braço, ou como diria minha musa, Clarice Lispector: como se faltasse um dente da frente, excruciante.

Toda relação longa é simbiótica e quando você se vê novamente sozinha, não sabe direito quem é, o que gosta, onde quer ir – oi, crise de identidade!

Dá uma sensação de ressaca, só que sem o porre e com gripe. É muito físico. O corpo dói, parece que se você dormisse por aproximadamente uns 15 dias seguidos, acordasse e tomasse uma sopinha tudo ficaria bem. Ah, sim… pode se dizer que está convalescendo.

Só que você acorda a cada dia… e vive um luto de pessoa viva, tem sintomas de abstinencia.

Se tortura com as boas lembranças e acha que nunca mais vai conseguir ser feliz de novo. Não nessa vida.

Aí, lembro do meu último aniversário, sozinha em um quarto de hotel, comendo um bolo pra 2 pessoas, as lágrimas descendo involuntariamente e a promessa de que NUNCA mais passaria um aniversário assim.

Lembro que a Camila me ligou, disfarcei o choro e fingi uma falsa alegria. É claro que ela percebeu que algo estava errado mas num gesto tácito de cumplicidade, fingiu que não percebeu. Fez piadinhas, fez o que toda melhor amiga faz: tenta te levantar quando você está tombada. O que é melhor você fazer mesmo, é se agarrar nessa centelha de esperança e levantar. Essa história de que no fundo do poço tem mola é conversa. Se você não reagir, o fundo do poço fica mais fundo, escuro e frio (já me disse um grande amigo, certa vez).

Como eu disse pra Camila aquele dia, um brinde as rugas finas! Sim, as linhas tornam se projetos de rugas.

E o tempo é especialmente cruel com nós, mulheres. Nos faz refletir o que tem sido de nós. Por sorte ou genética, vejo que o tempo me valorizou.

Mas não me livrou da minha primeira crise de idade. Até então, pensei que fosse imune, assim como você… ah, desculpe! Sua auto estima é inabalável!

Tá achando pesado? Saiba que o lindo também tem crise de idade… e daquelas. Com direito a fazer o tio da sukita e tudo.

Aí você se dá conta que começou o relacionamento tratando das espinhas e agora tá no consultório da dermatologista preocupada com as linhas de expressão, em tomar cápsulas de colágeno e selênio, em fazer do tempo seu aliado.

A ideia aqui não é ficar com carinha de 18, nem se repuxar toda, muito menos ficar neurótica. Nenhum creme anti idade vai resolver suas crises mas vai ajudar a elevar sua auto estima que é uma beleza!

A vida não tem garantias, o que nos deixa mais aflitos com nossas escolhas. Deus não manda um sms com o que devemos fazer e tudo que temos que fazer é decidir e confiar. Porque viver é um estado de crise permanente e o que realmente importa na vida é ter coragem.

Coragem de tomar decisões apesar do medo. Coragem de abrir mão de um grande amor e seguir teu rumo, ou nenhum rumo. Coragem de mudar, simplesmente porque você não quer mais os mesmos resultados. Coragem de estar no meio da tormenta sem se julgar e não fugir da dor.

Não adianta se esquivar, fingir que não sente. Melhor mesmo é chorar até os olhos incharem, se permitir não estar bem nem se cobrar demais. Desculpe quem disse que o sofrimento é opcional mas em matéria de amor é quase condicional.

Impossível sair ileso. Agora é tempo de olhar pra dentro e alimentar esse espaço vazio que se formou entre o estômago e o coração. Tempo de acordar cada dia e pensar: só por hoje. Abstinencia, AA… quase isso.

Tempo de esperar a tormenta passar. E investir em bons cremes, querida! Porque o tempo urge… Você fazendo alguma coisa ou não.

Tati Felix

eletro coração

P.S. Esse post não é um manual nem sequer vou dar dicas de como sair dessa, até porque estou nessa!

TPM, PÁSCOA E O LADO BOM DA VIDA

Padrão

Oscar J. Lawrence

Ah, sim… Chegamos em um período ótimo para crises existenciais: a Páscoa. Almoço de família que se preze tem que ter parente mala, de língua bem afiada.

Como diz um grande amigo: aquele parente que te transforma em alvo ou platéia.

De quebra, TPM borbulhando em último grau. Dessas que te faz odiar sua calça preferida, seus cabelos e o espelho… Potencializando meu (mal) humor, minhas olheiras e minha barriga… Argh!

Então resolvi que teria uma convivência segura, algumas horinhas de almoço e algum aborrecimento sem maiores consequencias. Muito parecido com o consumo do álcool X ressaca, depois dos 30 melhor não passar dos dois drinks seja lá do que for, se quiser evitar vexame e ressaca.

O lado bom é que você pode comer tanto chocolate quanto aguentar que é socialmente aceitável. E quase todo mundo desistiu de ter um abdome negativo, parecido com aquele cachorro, o galgo.

Assim, esquecemos a ressurreição de Cristo, a dieta e nos entorpecemos nesse doce momento hiper calórico.

Então aproveitei a cidade um pouco menos tumultuada pra ir ao cinema assistir O Lado Bom da Vida, com os lindos Pat Solitano Jr. (Bradley Cooper) que é a cara do Henry Castelli e Tiffany (Jennifer Lawrence).

Antes mesmo de assistir ao filme, já era fã da Jennifer Lawrence que ganhou o Oscar e bem na hora H caiu com seu modelito da Dior, phynna.

ladobomdavidafilme

O filme trata de uma forma dramática mas ao mesmo tempo irônica do transtorno bipolar que Pat Solitano possui. Suas crises ficaram exacerbadas quando Pat vê sua esposa o traindo em sua própria casa.

Já Tiffany sofre de compulsão sexual desencadeada com a morte de seu marido. A vida deles se cruza em um jantar na casa de amigos em comum e  eles encontram na dança uma válvula de escape  para lidar com seus traumas e transtornos.

Sabe o que é mais interessante desse enredo? É a gente parar pra pensar que ninguém está ileso de passar por algo parecido. Lembrei de um professor que tive que teve um surto psicótico quando a noiva o pressionou pra casar. Jovem, bonito, saudável… e humano.

Aí a gente diz: – Isso não vai acontecer comigo!

E por quê não?

Você pode ter fé, ser casado/solteiro, rica/pobre, bem jovem ou idoso, adorar pizza, fazer compras, estudar, trabalhar e num belo dia… Sua mente  resolve te pregar uma peça.

Somos todos suscetíveis, estamos vivos e na chuva. Não importa.

O que importa é como vamos lidar com as coisas que ocorrem. Se vamos entregar os pontos ou lutar.

Eu prefiro lutar, e se é pra ir pra guerra, então… Base, batom e ação!

Besos

Tati Felix

TEMAKI, D.R. e UM RÍMEL MUITO EFICIENTE

Padrão

Maybelline-Plush-2

Tive recentemente um desentendimento com uma pessoa muito querida, meu irmão mais novo.

Aliás, quem não tem nenhuma briguinha familiar e vive naquelas reuniões de propaganda de margarina que atire a primeira pedra! Diferente das outras mulheres eu simplesmente ODEIO D.R! Eu sei, nada adianta esconder as coisas em algum compartimento que não serve pra coisa nenhuma. Então, protelei até quanto pude… Porque na verdade sabia que ía mexer na ferida, e ninguém sem nenhuma vocação sado-masoquista gosta disso.

Dia e hora pra cutucar a ferida, falar e ouvir… E em uma família árabe/italiana como a minha, isso significa: Vai ter muito drama! Escolhemos um território neutro, uma temakeria, a Wikimaki em Curitiba.

Nem preciso dizer que resolvemos nossas diferenças no caminho e estacionados na porta, lá estava eu… Chorando e me descabelando como previa, a La Maria do Bairro.

Quando até que enfim fizemos as pazes, me dei conta que estava toda maquiada e tudo devia estar um fiasco, que beleza!

Mas pra minha surpresa (e olha que chorei um dilúvio!) minha máscara pra cílios, o rímel para as amigas estava lá, intacto! Por uns segundos, tentei lembrar qual havia aplicado, e lembrei: The Mega Plush, da Maybelline.

Já achava ele muito bom, ótima pigmentação, deixa os cílios bem pretinhos, possui um aplicador arredondado, bem cheio e flexível. Sua textura é leve, então se você quer um olhar mais dramático, encaixe o aplicador na raiz dos cílios, faça um zigue-zague para maior absorção do produto. O que gostei mesmo foi da eficiencia a prova de lágrimas.

Close nas cerdas:

maybelline-mega-plush

Aprendi duas coisas:

– Nunca adie uma D.R; ainda mais se a pessoa vale a pena na sua vida, por mais que doa dizer e ouvir a verdade – ou a sua verdade, ou a verdade dele (a);

– Aplique um rímel eficiente! Ainda mais se você for dramática como eu…

Ah, quase esqueço de avisar que ainda não vi a venda no Brasil… uma encomenda pras amigas que viajam, né Camila?!

Beijos,

Tati Felix

MISSÃO ANTI OLHEIRAS: EM BUSCA DE UM MILAGRE I

Padrão

It´s Potent

Algumas missões nascem de acordo com a necessidade.

A minha (entre outras mil) é encontrar um creme anti olheiras que definitivamente acabe com elas! Isso não é tão fácil  e promissor quanto parece.

Depois dos 30, qualquer noite mal dormida depõe contra nosso favor. Embora muitas meninas de 20 também apresentem o problema. O fato é: ninguém gosta! As olheiras pesam o visual, deixam um aspecto de cansaço e denunciam a passagem do tempo.

E como dormir bem se é preciso acordar cedo pra trabalhar, praticar um esporte, fazer compras, dar atenção pra família, estudar?! E pra dormir cedo com tantos compromissos?

Pra ajudar ainda variam de cor, podendo ser arroxeadas, amarronzadas, avermelhadas até escuras grau panda.

Dermatologistas, químicos e farmaceuticos debatem, pesquisam e testam o tema no mundo todo. Sim, a indústria da beleza move milhões atrás disso. E eu muitos reais…

Foi assim que em uma das idas da Camila pra Nova Iorque eu encomendei o It´s Potent, da Benefit. Sou muito, muito fã da marca.

A promessa do creme é suavizar (suavizar? eu queria mesmo que fosse exterminar!) as linhas finas e as olheiras. Contém em sua composição extrato de maçã que ajuda a impulsionar o colágeno e extrato de nêspera que ajuda a proteger a pele dos danos dos radicais livres.

O creme é delicioso, bem hidratante mas… Não suaviza as olheiras e nem as linhas superficiais!

Não tenho olheiras tão profundas e escuras assim mas tenho meus dias de William Waack, quem não tem? Embora minha árabe descendencia seja um fator genético bem desfavorável nesse caso.

Como ainda tenho um pouco do produto, vou terminar de usar – sou bem contra desperdícios. Só que não espero mais nada além de uma boa hidratação…

It´s Potent, pero no mutcho.

Preço? $32,00 lá fora e aqui no Brasil, no site da Sephora R$169,00.

Achou puxado? Eu também… Aguarde a próxima busca quem sabe encontro o milagre?!

Tati Felix

SERÁ QUE TEM GLAMOUR NA MORTE?!

Padrão

Mulher loura ( EM DESENHO )

Certas coisas não acontecem com a gente. Só acontece com a tia da prima da amiga da vizinha.

Mas quem em sã consciência é capaz de admitir e contar o que acontece no mais íntimo do seu lado B?

Bom, aí vou eu:

Comecei a sentir palpitações de vez em quando e uma certa sensação de ansiedade uma angústia como se algo ruim fosse acontecer. Só que tive palpitações por 3 dias seguidos, insônia, agitação e medo. Medo de ter um treco, de morrer.

E foi assim que fui parar no P.S. do HCor. Deitada na maca, sentindo as pontas dos dedos da mão esquerda formigar. Um enfermeiro usando um óculos esquisito me pede pra levantar a blusa pra fazer o eletrocardiograma.

Me dou conta de que na correria não vesti o sutiã.

Levantei a blusa, olhei pro canto da sala e sentado  na cadeira, meu namorado olhando a cena com censura (“Cadê seu sutiã?”).

Pior que isso: meu seio esquerdo nu, o mamilo apontando o teto… e quantos eletrodos!

Fim do exame, hora da verdade.

– O que tenho Doutor?

– Na verdade, no coração, NADA!

– Mas e os sintomas? Meu quase enfarte onde foi parar?

– Ansiedade, você está muito agitada. precisa descansar, fazer exercícios, procurar um psiquiatra…

– Oi?!

– Síndrome do Pânico, prazer.

Assim vou saindo meio sem jeito em direção ao elevador. reencontro o enfermeiro de óculos esquisitos empurrando uma cadeira de rodas. Pro meu desespero ele acena, sorri e me deseja melhoras.

Na porta do hospital meu namorado diz: – Viu, você não tem nada, tá ótima. Só veio pagar peitinho pro enfermeiro. Mas só uma dúvida, por que não colocou sutiã?

É que na correria, no auge do mal estar, o sutiã incomodava por causa das palpitações.

Porque na morte não há pudor e nem glamour.

Tati Felix